André e eu

André e eu

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

As Novelas De Mila Moreira

No ar em A Lei do Amor, a atriz brilhou nas passarelas antes de abraçar a dramaturgia

Mila Moreira
A carreira de Mila Moreira na dramaturgia aconteceu quase por acaso. Depois de brilhar nas passarelas como modelo, ela foi chamada para substituir um jurado no programa do Chacrinha e chamou a atenção de Cassiano Gabus Mendes, que a convidou para sua primeira novela, Marrom Glacê. "Eu adoraria rever essa novela, que foi a minha estreia da TV", confessa a atriz, saudosa. 

1979 - Marrom Glacê
Armando Bógus e Mila Moreira
Como Érica na novela Marrom Glacê
Na trama, ela viveu Érica, secretária de Clô(Yara Côrtes). Jovem e viúva, despertou a paixão de Nestor (Armando Bógus), um dos garções do buffet Marrom Glacê. 

Queridinha de Cassiano

1979 - Plumas e Paetês

Lúcia Alves,Maria Claudia e Mila Moreira
Como Dorinha na novela Plumas e Paetês
Mila se tornou a queridinha de Cassiano e atuou em várias tramas do autor, como Plumas e Paetês, como Dorinha, auxiliar de uma agência que dividia apartamento com Veroca (Lúcia Alves) e Amanda (Maria Claudia).

1982 - Elas por Elas

Mila Moreira
Como Marlene na novela Elas por Elas
 Em Elas por Elas, Mila deu vida à Marlene, que reencontrou as amigas de escola Márcia (Eva Wilma), Helena (Aracy Balabanian),Adriana (Ester Góes), Wanda (Sandra Bréa),Carmem (Maria Helena Dias) e Natália (Joana Fomm).
Eva Wilma,Aracy  Balabanian,Ester Góes,Sandra Bréa,Maria Helena Dias e Joana Fomm
"Era divertidíssimo trabalhar com aquelas atrizes maravilhosas", relembra.

Aia da rainha

1989Que Rei Sou Eu?


Como Zmirá na novela Que Rei Sou Eu?
Mila deu vida a Zmirá, aia principal da rainha Valentine (Tereza Rachel), em  Que Rei Sou Eu?De uma família nobre, mas falida, Zmirá era bastante interesseira e capaz de trair a própria rainha para se dar bem.

1990 - Meu Bem, Meu Mal

Lima Duarte (Dom Lázaro), Fábio Assunção (Marco Antônio), José Mayer (Ricardo) e Mila Moreira (Bianca)
Como Bianca na novela Meu Bem, Meu Mal
Na trama, Bianca (Mila Moreira) mantinha uma paixão secreta pelo chefe Ricardo Miranda (José Mayer).

A cara da riqueza
Mila Moreira 
A essa altura, a carreira de modelo tinha ficado definitivamente para trás, mas a atriz sempre era lembrada por seu período nas passarelas. "Fico chateada quando falam que sou ex-modelo. Sabe há quanto tempo não piso numa passarela? Mais de 30 anos! Fui modelo durante 12 anos e tenho que carregar isso para o resto da vida", desabafou certa vez. 

Em 2004 e 2010, atuou em várias novelas: Como Uma Onda, Ciranda de Pedra, Viver a Vida.

2004 - Como Uma Onda


Marcos Caruso e Mila Noreira
Como Virgínia na novela Como Uma Onda

2008 - Ciranda de Pedra


Julio Andrade e Mila Moreira
Como Urânia na novela Ciranda de Pedra

Urânia, presidente do Grêmio da Vila Mariana, trambiqueira e esperta.


2009 - Viver a Vida

Mila Moreira
Como Viviane Faria Albuquerque na novela Viver a Vida

Ela mesma

2010 - Ti Ti Ti

Como Stela Sanches na novela TiTiTi

Em 2010, fez uma participação na primeira versão de TiTiTIi como ela mesma, no maior evento de moda do Rio de Janeiro

2011 - O Astro
Mila Moreira
Como Miram Lambert na novela O Astro
Na segunda versão de O Astro, interpretou Miram Lambert, dona de um cassino clandestino. 

2013 - Sangue Bom

Mila Moreira
Como Silvia Laport na novela Sangue Bom
Em 2013, viveu Silvia Laport,interpretando uma mulher elegante. Na trama, ela era diretora da agência Class Mídia. Aliás, a maioria das personagens da atriz é mesmo 'a cara da riqueza'. "Sempre faço uma personagem abastada, mas não me incomodo com isso. Sei fazer 'a pobre', mas não me deixam. Tenho cara de rica, mas isso eu nunca fui", diverte-se. 

Uma sobrevivente

2016 - A Lei do Amor


Mila Moreira 
Como Gigi na novela A Lei do Amor
De volta às novelas em A lei do Amor, Mila Mireira mais uma vez interpreta uma personagem requintada e elegante, mas que não poupa esforços para se dar bem na vida. Na trama de Maria Adelaide Amaral e Vincent Villari, a atriz é Gigi, uma perfeita alpinista social. Além de ser a 'melhor amiga' de Magnólia (Vera Holtz) foi ela quem mexeu os pauzinhos para aproximar Helô (Claudia Abreu) e Tião (José Mayer) no passado e ainda ajudou no plano diabólico para separar Helô de Pedro(Reynaldo Gianecchini). Para Mila, a personagem não é uma vilã propriamente, ela apenas enxerga a vida de uma maneira bastante prática. "Vejo a Gigi como uma sobrevivente que não pensa muito no que faz, é um pouco oportunista e faz 'maldadezinhas', mas sempre acha que aquilo que faz é para o bem de alguém", conta a atriz que defende as atitudes da personagem. "Ela é uma boa lobista. Na verdade, muita gente é assim na vida real.O que ela quer é se dar bem na vida", analisa.

Na telinha

1979 - Marron Glacê
Érica Bertioga Santana
1979 - Plumas e Paetês
Dorinha
1982 - Elas por Elas
Marlene
1989 - Que Rei Sou Eu?
Zmirá
1990 - Meu Bem, Meu Mal
Bianca Paiva
2004 - Como Uma Onda
Dra.Virgínia Lemos
2008 - Ciranda de Pedra
Urânia
2009 - Viver a Vida
Viviane Faria Albuquerque 
2010 - Ti Ti Ti
Stella Sanches
2011 -  O Astro
Miriam Lambert Mello Assunção
2013 - Sangue Bom
Silvia Laport
2016 -  A Lei do Amor
Gioconda Moretto Ferrari (Gigi)


Texto: Núcia Ferreira

Publicado na revista TV Brasil n/n 869

Fotos: Globo/Divulgação/Astros em Revista TOP - Novelas UOL TV e Famosos-Globo Rede Globo- Raphael Dias Viva - Globo.com

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Ricas E Vilãs - Pura Maldade

Elas não poupam esforços para serem poderosas e 'donas do pedaço'

Mulheres endinheiradas, de famílias tradicionais e caráter duvidoso roubam a cena nas novelas há muito tempo. E vale mentir, criar intrigas, separar casais que se amam, trapacear e até matar! Tudo em nome de um 'bem' maior. A nova poderosa e vilã do pedaço é Magnólia, ou simplesmente Mag, como é conhecida em A Lei do Amor. Do tipo lobo em pele de cordeiro, a ricaça trapaceia sempre com um sorriso no rosto e, desde o início da trama, seu lado mau caráter já ficou bem claro para o público.

Uma fera!
Vera Holtz
"Mag é uma mulher que está sempre pensando nos próximos passos. É uma grande jogadora"  (Vera Holtz).
Mag se casou com Fausto (Tarcísio Meira), marido de sua melhor amiga, depois de sua morte e, tudo indica que a poderosa foi responsável pela viuvez do empresário. Ela também arquitetou a separação de Pedro (Chay Suede)/Reynaldo Gianecchini) e Helô (Isabelle Drummond/Cláudia Abreu) no passado e continua defendendo a família com unhas e dentes.Mas, na frente dos outros, sempre mostra um lado terno e controlado, como se fosse uma grande defensora dos fracos e oprimidos. Vera Holtz, no entanto, atenua essa vilania. "Eu a considero uma mulher bastante religiosa, que luta pela família. O objetivo dela é manter os familiares sempre em pé, não quer que ninguém esbarre em seus filhos e qualquer coisa que possa desequilibrar um pouco o seu clã, ela vira uma fera", opina a atriz, que incorporou a ricaça com louvor.

Assim como Mag, outras mulheres 'finas' e maldosas abalaram os folhetins. 

Mil proezas


Chistiane Torloni
Em Fina Estampa, Tereza Cristina (Chistiane Torloni) era a cara da riqueza e não escondia de ninguém que odiava a pobreza. Socialie e casada com o chef Renê (Dalton Vigh), fazia questão de dizer que era o seu dinheiro que sustentava a família. Por querer controlar tudo e todos, ela quase surtou ao descobrir que a grande paixão de sua filha, Patrícia (Adriana Birolli), era o filho da 'pobretona' Griselda (Lilia Cabral). Ao longo da trama Tereza Cristina aprontou poucas e boas, inclusive, matou e mandou matar, para tentar defender seus 'ideais'.

Forjou a própria morte
 Fernanda Montenegro
Em Belíssima, Bia Falcão ( Fernanda Montenegro) também tinha horror a pobre. A vilã abandonou Vitória (Claudia Abreu), filha da relação com Murat (Lima Duarte), que a deixou. Anos depois, Vitória apareceu na vida da ricaça e casada com um dos seus netos, Pedro(Henri Castelli). O mundo caiu, mas a dondoca não perdeu a pose e fez todas as maldades para conseguir o que queria e até sequestrou a bisneta. Depois de forjar a própria morte e praticar alguns crimes, Bia escapou da punição e terminou a trama em Paris, nos braços do garoto de programa Matheus (Cauã Reymond).

Preconceituosa e traiçoeira

 Susana Vieira
Em Por Amor, Susana Vieira interpretou uma vilã clássica. A ricaça era irônica e adorava um barraco com direito a tapas, empurrões e até tesouradas. Na trama, Branca era casada com Arnaldo (Carlos Eduardo Dolabella) e se interessava apenas pelo dinheiro do marido. A personagem foi uma das vilãs mais marcantes de Manoel Carlos. A megera não poupava esforços para ter o controle de tudo, inclusive, colocar Nando (Eduardo Moscovis), um bondoso piloto de helicóptero, na cadeia e acabar com o namoro do rapaz com sua filha, Milena (Carolina Ferraz). De quebra, ela maltratava o filho. 

"Oxente, My God" 

 Eva Wilma
Maria Altiva Pedreira Mendonça de Albuquerque ficou conhecida pelo bordão acima e por sua crueldade em A indomada. Ela se considerava uma defensora da moral e dos bons costumes de Greenville, humilhava o filho adotivo, Artêmio (Marcos Frota), e adorava comprar uma briga com a sobrinha Helena (Adriava Esteves). Ambiciosa, encontrou no deputado corrupto Pitágoras (Ary Fontoura) o parceiro ideal para seus golpes. Depois de muitas maldades, Altiva teve um desfecho digno de bruxa má quando se recusou a sair de uma tapera em chamas, que explodiu. Da fumaça, misteriosamente ecoou a risada da vilã e tomou sua forma, prometendo que voltaria"

A maior de todas
Beatriz Segal
Não tem como deixar de citar Odete Roitman, a vilã mais famosa de todas. Esnobe, ela era a poderosa de Vale Tudo e dizia que detestava o Brasil! Manipuladora, juntou-se a Maria de Fátima (Glória Pires) para separar Raquel (Regina Duarte) de Ivan (Antonio Fagundes), para que ele ficasse livre e se casasse com Heleninha (Renata Sorrah). Em troca, ofereceu à moça um casamento com Afonso (Cassio Gabus Mendes), seu filho mais novo. O acordo das duas foi desfeito por Odete quando descobriu que a nora tinha um caso com César (Carlos Alberto Ritchelli). Na reta final, Odete foi assassinada, dando início ao mistério:"Quem matou Odete Roitman?"

Cássia Kiss
Odete Roitman (Beatriz Segal)foi morta por Leila (Cássia Kiss),que por engano, pensava que era Maria de Fátima (Glória Pires), amante de seu marido, Marco Aurélio (Reginaldo Faria).

Texto: Núcia Ferreira

Publicado na revista TV Brasil n/n 869

Fotos: Globo/Divulgação/Reprodução/gshow.globo.com super tv e mais

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

As Novelas De Thiago Lacerda

Thiago Lacerda

"Cada um tem a sua história, ser feliz é uma conquista diária".

Ficha Técnica

Nome: Thiago Ribeiro Lacerda
Data de nascimento: 19/01/1978
Local de nascimento: Rio de Janeiro/RJ
Idade: 38 anos
Signo: Capricórnio
Último trabalho: O galã está no ar como o mau caráter arrogante Ciro, em A Lei do Amor
Satus de relacionamento: O ator é casado desde 2001 com a atriz Vanessa Lóes
Curiosidades: Antes de virar ator, Thiago Lacerda praticou natação por mais de 15 anos e colecionou cerca de 150 medalhas. Mas, a paixão pela dramaturgia sempre falou mais alto e seu primeiro papel na TV foi em Malhação, em 1997.Depois disso, participou de Hilda Furacão e Pecado Capital, mas ganhou notoriedade mesmo em Terra Nostra, quando interpretou seu primeiro protagonista.!

Publicado na revista TV Brasil n/n 869

A Série The Crown (Vossa Majestade)

Claire Foy e Matt Smith 
Matt Smith é o Pricipe Philip e  Claire Foy é a Rainha Elizabeth II na série The Crown.

A série é uma história biográfica sobre a família real do Reino Unido.A figura máxima da realeza britânica está desembarcando na rede streming e vai mostrar quem é que manda! Em dez capítulos de uma hora cada, The Crown vai trazer a Rainha Elizabeth II de 1952 até os dias atuais e abordará como ela assumiu a coroa e as dificuldades políticas que enfrentou, principalmente por ser mulher! Baseada na obra The Audience, a série é protagonizada por Claire Foy e promete emocionar muita gente!.

Disponível a partir de sexta. 4.
Netflix. 

Os Filmes A Culpa É Das Estrelas E Se Eu Ficar?

Os apaixonados de plantão vão se emocionar com as exibições da dupla A Culpa é das Estrelas e Se eu Ficar? que serão apresentados na sequência.

A Culpa é das Estrelas

Shailene Woodley  e Ansel Elgort
 Hazek Grace Lancaster e Augustus Waters
O primeiro conta a história de um jovem casal,Hazek Grace Lancaster e Augustus Waters que precisa enfrentar o câncer, doença que têm em comum e que serve como fio condutor para seus dramas.O romance de John Green não foi inspirado em Katie e Dalton Prager, historia parecida na vida real.

Katie e Dalton Prager

Katie e Dalton Prager que na vida real tinham  fibrose cística - doença que compromete o pulmão.Foi a própria vida imitando a arte.Ele morreu no dia 17 e ela no dia 22(cinco dias depois) aos 26 anos de idade.

Se Eu Ficar?
Chlöe Grace Moretz
Narra a trajetória de Mia Hall (Chlöe Grace Moretz), uma garota talentosa e com futuro promissor na música, que após sofrer um grave acidente, entra em coma e passa a observar a sua vida no plano espiritual, tendo que decidir se vale ou não a pena sobreviver dedicando-se à sua carreira (ela é uma prodigiosa musicista), na escola Julliard ou ao seu amor Adam (Jamie Blackley).

Canal Fox
Sábado, 5, a partir das 21h00
Fotos:http://ego.globo.com/http://telecine.globo.com/

Das Telonas Para As telinhas

Na semana do cinema brasileiro, veja os filmes que viraram séries na TV

José Loreto no filme Mais Forte Que O Mundo
Embora muita gente ainda torça o nariz para as produções nacionais, é fato que a qualidade delas está aumentando cada vez mais e ganhando um espaço maior na televisão. Prova disso são as recentes adaptações de longas-metragens que a Rede Globo fez e exibiu em sua programação. Tal fato, ajuda a reforçar a visibilidade do cinema nacional e corrobora para quebrar o estereótipo de que os filmes brasileiros são ruins.
Xingu
Xingu, por exemplo, obteve um resultado bastante ruim quando estava em cartaz, mas obteve altos índices no IBOPE quando foi para a rede aberta.

Vários são os filmes que seguiram esse caminho. Chico Xavier, O Tempo e o Vento, Serra Pelada, Gonzaga - De Pai Para Filho... Todos, sem exceção, ganharam um tratamento especial, tiveram cenas adicionadas (ou cortadas) e foram exibidos na televisão com uma boa aceitação do público! 

Chico Xavier

O Tempo e o Vento

Serra Pelada

Gonzaga - De Pai Para Filho

E o mais recente caso é Mais Forte que o Mundo, que seguiu o exemplo e também vai virar uma minissérie na televisão. Sucesso de crítica, o longa, que narra a história do lutador José Aldo, conta com Cléo Pires e José Loreto no elenco e deve ser editado em três capítulos e exibidos no início de 2017.

Mais Forte que o Mundo

Confira outras atrações que também migraram para as telinhas!

 Tim Maia - Vale o Que Vier
O grande músico brasileiro foi personagem central de um longa biográfico de 2014. E a atração foi tão bem recebida, que a Rede Globo não teve dúvidas: reeditou a história, transformando a cerca de 2h20 de filme em dois capítulos, os quais foram exibidos no início de 2015. Só, que diferente do que aconteceu com Xingu, os produtores não gostaram da mudança feita pela emissora. "Trata-se de um subproduto que não escrevi daquele modo, nem dirigi ou editei", declarou Mauro Lima, diretor do filme. Um dos motivos que alimentaram essa polêmica foi a exclusão de uma cena na qual Roberto Carlos 'despreza' Tim. Na ocasião muito se falou que o canal estava querendo proteger a imagem do eterno 'rei'.

 Dona Flor e seus dois Maridos
Em1976 o Brasil se encantou com a atração protagonizada por Sonia Braga,José Wilker e Mauro Mendonça. Mais de vinte anos depois, e ainda bastante lembrada pelos brasileiros, uma série homônima foi produzida. Dessa vez , com Giulia Gam, Edson Celulari , Marco Nanini, no elenco, a trama contou a história de Dona Flor, uma culinarista casada com Vadinho, um malandro de mão cheia que é dado como morto. Após o funeral do bom vivant, Flor acaba conhecendo Teodoro, homem totalmente diferente de seu primeiro marido. Na época, a serie foi exibida em 20 capítulos com duração de 50 minutos cada, fato que conferiu a ela uma maior elaboração dos personagens e enredo se comparada ao filme. 

 O Pagador de Promessas
No ano de 1962 a história de Zé do Burro (Leonardo Villar), um nordestino humilde que atravessou a Bahia com uma cruz nas costas para pagar uma promessa, ganhou o mundo! A trama inspirada na obra de Dias Gomes, foi aplaudida de pé no Festival de Canes, onde conquistou a Palma de Ouro e entrou para a história do cinema nacional.Duas décadas depois, mudaram-se os atores e a história virou uma minissérie de 12 capítulos estrelada por José Mayer, que fez um tremendo sucesso na Vênus Platinada! O mais curioso disso tudo, porém, foi que, no ano passado (2015), em comemoração aos 50 anos da Rede Globo, a produção criada em 1988 foi transformada em um telefilme e exibida por pouco mais de uma hora e meia. 

Mulher Invisível
E se engana quem pensa que só filmes antigos viraram série. A comédia romântica lançada em 2009 foi vista por mais de 2 milhões de brasileiros, figurando, na época do seu lançamento entre os 5 filmes mais vistos do País. Ligeira, a Globo viu nisso uma oportunidade e logo contratou os atores para uma série baseada na história de um cara casado e apaixonado pela esposa, que acaba, em meio a seus devaneios, criando uma amante imaginária e cultivando um sentimento por ela. Com Debora Falabella, Selton Mello e Luana Piovani no elenco, a atração teve duas temporadas com um total de 13 episódios e ganhou o Emmy Internacional de série de Melhor Comédia. Um sucesso!

Texto: Luana Rodriguez

Publicado na revista TV Brasil n/n 867
Fotos: Globo/Divulgação/Reprodução-
https://pt.wikipedia.org

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

O Novo 'Xodó' Do 'Patrão' (Silvio Santos)

Karyn Bravo e Joyce Ribeiro
Quando, no dia 12 de outubro, Silvio Santos resolveu afastar as jornalistas experientes Karyn Bravo e Joyce Ribeiro da bancada do Primeiro Impacto para substituí-las pelo garoto Dudu Camargo, muitos acharam que era apenas uma brincadeira do Senör Abravanel por causa do dia das crianças.
Dudu Camargo
No entanto, nas semanas posteriores, a decisão de mantê-lo à frente da atração surpreendeu inúmeras pessoas, que questionaram a atitude 'polêmica' do SBT de deixar em um jornal sério um rapaz que dança, ao vivo, músicas como o 'Bumbum Granada'. Seria o jornalismo misturado ao entretenimento?

Repercussão negativa


Dudu Camargo
Atração comandada pelo garoto vai ao ar às 6h da manhã
Diante da situação, o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, junto com a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), emitiu um comunicado de repúdio ao fato, deixando claro a insatisfação dos profissionais da classe com a casa, que, segundo eles, está precarizando a profissão."Tratar o jornalismo como entretenimento e não informação criteriosa é um desserviço ao cidadão, um ataque à qualidade da informação e, mesmo, uma afronta à Constituição que estabelece como princípios que os meios de comunicação devem zelar pela sua função social e dar 'preferência a finalidades educativas, artísticas, culturais e informativas', ressaltou.
Já o colunista Flávio Ricco classificou a ida do menino para o noticiário como algo 'irresponsável' e que mostra que Silvio Santos gosta de 'brincar de fazer televisão'.
Karyn Bravo
Vale salientar que as jornalistas que foram substituídas não foram demitidas da casa, e nem estão afastadas de suas funções. Em recente declaração, Karyn explicou que estava cobrindo as eleições para os Estados Unidos, e que nunca esteve parada, explicando: "Quem é jornalista é jornalista em qualquer circunstância e  em qualquer lugar, a gente trabalha e sabe o que faz". 

Quem é ele?

Dudu Camargo
Dudu Camargo chamou a atenção por suas imitações do 'patrão' e em seu currículo, o garoto tem participações na novela Revelação e no quadro Lendas Urbanas, do Domingo Legal. Apesar disso, ele ganhou notoriedade mesmo como o 'Homem do Saco', do programa Fofocando, conhecido por não ter papas na língua e por fazer comentários que nem Léo Dias, Leão Lobo ou Mara Maravilha têm coragem. Nos bastidores da emissora paulista, comenta-se que foi o cabeleireiro de Silvio, o icônico Jassa, o responsável por convencer o 'homem do baú' a colocar o jovem no ar.

Texto: Luana Rodrigues

Publicado na revista TV Brasil n/n 867
Fotos: Lourival Ribeiro-SBT/Divulgação-Na Telinha - UolEntretenimento-R7.com

domingo, 4 de dezembro de 2016

As Novelas de Felipe Roque

Felipe Roque

"Minha mãe sempre me orientou a levar isso (atuação) como hobby. Mas, depois de um tempo, tive a certeza de que era o que eu queria e larguei a faculdade".

Ficha técnica

Nome: Felipe Roque de Moraes
Data de nascimento: 12/05/1987
Local de nascimento: Rio de Janeiro/RJ
Idade: 29 anos
Signo:Gêmeos
Último trabalho: O rapaz está no ar em Malhação, onde dá vida ao jogador de vôlei Gabriel.
Status de relacionamento: Atualmente o ator está namorando a bela bailarina Aline Riscado.
Curiosidades: Antes de atuar, Felipe chegou a ingressar na faculdade de Engenharia, mas a paixão pelos palcos falou mais alto e o jovem trancou sua matrícula. Desde então, vem se dedicando às artes cênicas e atuou nas peças Crônicas do Amor Mal Amado e Sexo Grátis, Amor a Combinar. No entanto, ganhou notoriedade quando deu vida ao Kim, em A Regra do Jogo.

Publicado na revista TV Brasil n/n  867  

O Filme Seremos História?

Leonardo DiCaprio
Produzido pelo diretor Fisher Stevens e conduzido por Leonardo DiCaprio (ator vencedor de um Oscar), chega à TV a produção Seremos História? que apresenta um relato tão informativo quanto convincente sobre as formas pelas quais a sociedade pode prevenir o desaparecimento de espécies ameaçadas de extinção, os ecossistemas e as comunidades indígenas de todo o mundo. Nela, DiCaprio entrevista pessoas de todos os setores da sociedade para poder realizar a transição dos sistemas econômicos e políticos para instituições favoráveis ao meio ambiente.

Nat Geo
Domingo,30, às 23h

Publicado na revista TV Brasil n/n 866

A Série 11.22.63

11.22.63 é uma minissérie americana de ficção científica.
Sarah Gadon e James Franco 
No dia 22 de novembro de 1963,três tiros foram disparados em Dallas, o Presidente norte americano Kennedy foi assassinado e o mundo mudou. E se tudo pudesse voltar ao que era antes? Baseado no best-seller de Stephen King e estrelado por James Franco(Jake Epping), 11.22.63 leva o público ao lado obscuro e imprevisível do sonho americano. Na série, Jake Epping (um professor do ensino médio em busca de um significado para a sua vida), viaja no tempo para evitar o assassinado de John F.Kennedy.
Sarah Gadon
Sarah Gadon estrelará em 22.11.63, interpretando Sadie Dunhill,  uma bibliotecária da escola de Texas em que Jake trabalha.

Daniel Webber
A história transporta o público aos anos 60 , no Texas, enquanto Jake explora uma multiplicidade de mistérios!No entanto, sua missão é ameaçada por Lee Harvey Oswaldo (Daniel Webber).

AMC terça 1, às 22h

Publicado na revista TV Brasil n/n 866

sábado, 3 de dezembro de 2016

Eu Sou O Samba


Rei do terreiros. O gênero musical brasileiro por excelência completa hoje 100 anos do registro de sua primeira canção; veja os nomes mais importantes de sua história.

Há controvérsias sobre a origem do samba e certamente ele já existia antes que Donga e Mauro de Almeida registrassem na Biblioteca Nacional, no Rio, a letra de "Pelo telefone" como samba carnavalesco", em 27 de novembro de 1916. Esta acabou sendo o "registro de nascimento" do samba, há exatos 100 anos.

Muita água rolou a partir daí. O samba derivou-se em samba-exaltação, samba-enredo, samba-canção, partido-alto, bossa nova e até pagode românticos. Mas nunca foi deixado para morrer (como alertaram Edson Conceição e Aloísio Silva na voz de Alcione) e sempre voltou ao cavaco,pandeiro e tamborim quando a rapaziada sentiu falta (como avisou Paulinho da Viola).

Mais do que "a voz do morro" (como definiu Zé Kéti), o samba é a voz do Brasil. Ao lado, elencamos 15 personalidades fundamentais.Claro, muitos ficaram de fora (Sinhô, Ismael Silva, Ataulfo Alves...) - sem atravessar o samba.  

Personagens . 15 personagens que deixaram sua marca no samba.

Donga
Donga
Com Mauro de Almeida Donga registrou em 1916 a letra de "Pelo telefone" na Biblioteca Nacional como um "samba carnavalesco"Eles usaram versos criados na casa da baiana Tia Ciata.
Pelo Telefone:O chefe da folia/Pelo telefone manda avisar/Que com alegria não se questione/Para se brincar/Ai, ai, ai/Deixa as mágoas para trás ó rapaz!/Ai, ai, ai/Fica triste se és capaz e verás...

Noel Rosa

Noel Rosa

De vida brevíssima e grande produção, Noel fez parte de uma cena que aproximou a classe média do samba dos morros."Com que roupa" (1929) e "Palpite Infeliz" (1935) são alguns clássicos.
Palpite Infeliz:Quem é você que não sabe o que diz?/Meu Deus do Céu, que palpite infeliz!/Salve Estácio, Salgueiro, Mangueira,Oswaldo Cruz e Matriz/Que sempre souberam muito bem/Que a Vila Não quer abafar ninguém/Só quer mostrar que faz samba também...


Carmem Miranda

Carmem Miranda
Carmem contribuiu como o canto de samba com o tom coloquial carioca. Foi a principal cantora de sua época , com sucesso como O Que É Que A Baiana Tem?
O que é que a baiana tem? O que é que a baiana tem?/Tem torso de seda tem (tem)/Tem brinco de ouro tem (tem)/Corrente de ouro tem (tem)/Tem pano da Costa tem (tem)/Tem bata rendada tem (tem)/Pulseira de ouro tem (tem)/E tem saia engomada tem (tem)/Tem sandália enfeitada tem (tem)/E tem graça como ninguém...!/O que é que a baiana tem?... 

Dorival Caymmi 

Dorival Caymmi 
O samba da Bahia tem sua maior referência em Caymmi e sua ligação com o mar e as tradições de sua terra. Como em ""O samba da minha terra" (1940).
O Samba da Minha Terra:O samba da minha terra deixa a gente mole/Quando se canta todo mundo bole/Quando se canta todo mundo bole/Eu nasci com o samba/No samba me criei/Do danado do samba/Nunca me separei/Quem não gosta de samba/Bom sujeito não é/É ruim da cabeça ou doente do pé/Eu nasci com o samba/No samba me criei/Do danado do samba/Nunca me separei...

Cartola

Cartola
Um grande poeta e sua ligação umbilical com a Mangueira. Comandou com D.Zica o Zicartola, QG do samba nos anos 1960, e compondo pérolas como As Rosas Não Falam.
As Rosas Não FalamBate outra vez/Com esperanças o meu coração/Pois já vai terminando o verão/Enfim/Volto ao jardim/Com a certeza que devo chorar/Pois bem sei que não queres voltar/Para mim/Queixo-me às rosas/Mas que bobagem/As rosas não falam/Simplesmente as rosas exalam/O perfume que roubam de ti, ai/Devias vir/Para ver os meus olhos tristonhos/E, quem sabe, sonhavas meus sonhos/Por fim.

Ary Barroso

Ary Barroso
Ninguém fazia samba-exaltação como Ary Barroso. O maior deles é claro,"Aquarela do Brasil" (1939), nosso hino informal. Também enalteceu a Bahia em "No tabuleiro da baiana" (1930) e outras.
Aquarela do Brasil: Brasil/Meu Brasil brasileiro/Meu mulato inzoneiro/Vou cantar-te nos meus versos/Ô Brasil, samba que dá/Bamboleio que faz gingar/Ô Brasil, do meu amor/Terra de Nosso Senhor/Brasil, Brasil/Pra mim, pra mim...

Adoniran Barbosa



Adoniran Barbosa
Adoniran abusou do linguajar próprio para criar um samba legitimamente paulistano em "Saudosa maloca" (1951), "Samba do Arnesto"(1953), e "Trem das Onze"(1965), entre outras.
Trem das Onzes:Não posso ficar/Nem mais um minuto com você/Sinto muito amor/Mas não pode ser./Moro em Jaçanã/Se eu perder esse trem/Que sai agora às onze horas/Só amanhã de manhã/Não posso ficar...

Dolores Duran



Dolores Duran
Com "A Noite do Meu Bem" (1959) ,Dolores se afirmou entre os grandes compositores do samba-canção, subgênero que dominou as boates cariocas nos anos 1950 e 1960.
A Noite do Meu Bem: Hoje eu quero a rosa mais linda que houver/E a primeira estrela que vier/
Para enfeitar a noite do meu bem/Hoje eu quero paz de criança dormindo/E abandono de flores se abrindo/Para enfeitar a noite do meu bem/Quero a alegria de um barco voltando/Quero ternura de mãos se encontrando/Para enfeitar a noite do meu bem/Ah! eu quero o amor, o amor mais profundo/E quero toda beleza do mundo/Para enfeitar a noite do meu bem/Ah! como este bem demorou a chegar/Eu já nem sei se terei no olhar/Toda pureza que eu quero lhe dar.

João Gilberto
João Gilberto
João criou a "batida diferente" que consagrou a bossa nova, com "Chega de Saudade" (1959), de Tom e Vinícius. Também regravou sambistas da velha guarda trazendo-os de novo à luz.
Chega de SaudadeVai minha tristeza/E diz a ela que sem ela não pode ser/Diz-lhe numa prece/Que ela regresse/Porque eu não posso mais sofrer/Chega de saudade/A realidade é que sem ela/Não há paz não há beleza/É só tristeza e a melancolia/Que não sai de mim/Não sai de mim/Não sai/Mas, se ela voltar/Se ela voltar que coisa linda!/Que coisa louca!/Pois há menos peixinhos a nadar no mar...

Tom Jobim

Tom Jobim
O maestro da bossa nova teve a companhia de Newton Mendonça e Vinícius de Moraes nas letras para reinventar o samba, em "Samba de uma nota só" (1960) e "Garota do Ipanema"(1962), entre outras.
Garota do Ipanema:Olha que coisa mais linda/Mais cheia de graça/É ela menina/Que vem e que passa/Num doce balanço/A caminho do mar/Moça do corpo dourado/Do sol de Ipanema/O seu balançado é mais que um poema/É a coisa mais linda que eu já vi passar/Ah, por que estou tão sozinho?/Ah, por que tudo é tão triste?/Ah, a beleza que existe/A beleza que não é só minha/Que também passa sozinha.Ah, se ela soubesse/Que quando ela passa/O mundo inteirinho se enche de graça/E fica mais lindo/Por causa do amor.


Chico Buarque

Chico Buarque
Quando começou, ele foi chamado de "novo Noel Rosa".Logo mostrou sua combinação própria de poesias e combatividade em canções como "Roda Viva"(1967) e "Vai passar" (1984).
Roda Viva:Tem dias que a gente se sente/Como quem partiu ou morreu/A gente estancou de repente/Ou foi o mundo então que cresceu/A gente quer ter voz ativa/No nosso destino mandar/Mas eis que chega a roda-viva/E carrega o destino pra lá/Roda mundo, roda-gigante/Roda-moinho, roda pião/O tempo rodou num instante/Nas voltas do meu coração...

Paulinho da Viola
Paulinho da Viola
Foi no Zicartola que ele virou Paulinho da Viola. Portelense, criou "Foi um rio que passou em minha via"(1970) para a escola. Outros clássicos são "Argumento"(1975) e "Dança da solidão (1972).
Foi Um Rio Que Passou Em Minha Vida:Se um dia/Meu coração for consultado/Para saber se andou errado/Será difícil negar/Meu coração tem manias de amor/Amor não é fácil de achar/A marca dos meus desenganos/Ficou, ficou/Só um amor pode apagar...

Martinho da Vila

Martinho da Vila
Popularizou o partido-alto e renovou os sambas-enredo, além de fazer grande sucesso de público. "Canta, canta, minha gente" (1974) é um hino. "Disritmia" (1974) é outro de seus clássicos.
Canta, Canta, Minha Gente:Canta, canta minha gente/Deixa a tristeza pra lá/Canta forte, canta alto/Que a vida vai melhorar...

Beth Carvalho
Beth Carvalho
Do início na bossa nova, Beth abraçou o samba e se tornou uma das mais importantes intérpretes do gênero, em "1800 colinas"(1974), "Saco de feijão"(1977) "Vou Festejar" (1978).e "Coisinha do pai"(1979).
Vou Festejar:Chora, não vou ligar/Chegou a hora/Vais me pagar/Pode chorar, pode chorar/És, o teu castigo/Brigou comigo/Sem ter por que/Vou festejar, vou festejar/O teu sofrer, o teu penar/Você pagou com traição/A quem sempre lhe deu a mão/Você pagou com traição/Há quem sempre lhe deu a mão.

Clara Nunes

Clara Nunes
A mineira que abraçou o candomblé é outras das intérpretes mais importantes do Brasil que lançou em 1968 a música Você Passa, Eu Acho Graça" sem muito sucesso,mas depois teve uma  fase brilhante que inclui "Canto das três raças (1976) e "Coisa da antiga"(1977).
Você Passa, Eu Acho Graça:Quis você pra meu amor/E você não entendeu /Quis fazer você a flor/De um jardim somente meu/Quis lhe dar toda ternura /Que havia dentro de mim /Você foi a criatura /que me fez tão triste assim/Ah, e agora, você passa/eu acho graça /Nessa vida tudo passa /E você também passou /Entre as flores, você era a mais bela/Minha rosa amarela/Que desfolhou, perdeu a cor...

Por Renato Félix 

Publicado no jornal Correio da Paraíba 
Edição de 27/11/2016
Caderno 2
Fotos:Do jornal Correio da Paraíba