domingo, 23 de abril de 2017

Mitos Da História

Amácio Mazzaropi
Nasceu em 09 de abril 1912, o ator, diretor, roteirista, e produtor paulistano, Amácio Mazzaropi. Um dos grandes campeões de bilheteria do cinema brasileiro, Mazzaropi conseguiu montar uma estrutura de cinema industrial para produzir e lançar seus filmes dos anos 1950 aos anos de 1970. Seu tipo de caipira de bom coração marcou em filmes como Jeca Tatu (1959), O Lamporino (1964) e O Corintiano (1966). Morreu em 1981.

Daisy Ridley 
Nasce em 10 de abril de 1992, a atriz inglesa Daisy Ridley. Sua carreira e papéis menores na TV mudou radicalmente  quando foi escolhida para o papel da jedi Rey, a protagonista de Star Wars - O Despertar da Força (2015), o episódio VII e filme de retorno da saga Guerra nas Estrelas ao cinema. Seus próximos filmes serão Assassinato no Orient Express e Star Wars - Os Últimos jedis, que serão lançado em dezembro. 

RMS Titanic
Afunda em 14 de abril de 1912, depois de colidir com um iceberg em 1912, o transatlântico RMS Titanic. Com a fama de inafundável, o navio foi ao fundo do mar em sua viagem inaugural, sendo uma das mais famosas tragédias navais da história. O fato foi levado ao cinema diversas vezes, como no britânico Somente Deus por Testemunha (1958) e na superprodução premiada Titanic (1997), vencedora de 11 Oscars.

Editor Renato Felix

Publicado no jornal Correio da Paraíba
Edição de 09 de abril de 2017
Lazer C5

Você Sabe O Que É Epistaxe?

De nome estranho  e pouco conhecido, a epistaxe é a 'famosa' perda de sangue pelo nariz. Comum e inofensivo em 90% da população, o sangramento nasal pode ser perigoso para pessoas com hemofilia, principalmente quando ocorre na parte interna do nariz.

Em caso de epistaxe, coloque a cabeça pra fene de modo a não engolir sangue e expulse suavemente os coágulos. Uma firme pressão deve ser feita na parte anterior do nariz com uma gaze umedecida com água gelada durante aproximadamente 20 minutos.

É indicado também o uso de ipsilon (épsilon-aminocaproico) ou Transamin em ampolas para embeber um pedacinho de algodão e colocar levemente dentro da narina que sangra para ajudar a formar o coágulo e estancar o sangramento. O comprimido anti-histamínico também pode ser administrado ao paciente, de um a três dias, em doses indicadas pelo seu hematologista.

Caso a hemorragia se torne prolongada ou se repita com frequência, procure o centro de tratamento de homofilia (CTH) e converse com seu médico.

Publicado na revista Fator Vida   
Prevenção e saúde
Janeiro-Abril 2016

sábado, 22 de abril de 2017

Edson Celulari

Trajetória


Edson Celulari

Trabalho abençoado


Edson Celulari em A Força do Querer
Ele é o ambicioso executivo Dantas
Em A Força do Querer ele é Dantas, executivo que quer ver seu trabalho reconhecido e que durante a trama vai se envolver com algumas mulheres.

Paixão antiga

Sua estreia profissional foi em 1978, na TV Tupi, na novela Salário Mínimo.

Edson Celulari na novela Marina 
Já no ano seguinte , o galã chegou à Globo para integrar o elenco de Marina e, desde então, sempre foi um dos mais requisitados da casa, tanto que, entre os anos de 1980 e 1987, participou de dez novelas!

Momentos especiais


Susana Vieira e Edson Celulari na novela Cambalacho
Edson Celulari e Natalia do Vale na novela Que Rei Sou Eu?
Entre os trabalhos mais marcantes estão Cambalacho (1986), quando viveu o bailarino Thiago, e Que Rei Sou Eu? (1989), sucesso em que interpretou Jean Pierre. 

Giulia Gam e Edson Celulari na novela Fera Ferida
O primeiro protagonista veio no ano de 1993, quando deu vida ao misterioso Raimundo Flamel, em Fera Ferida, .

Zezé Polessa e Edson Celularina na minissérie Decadência (TV Globo,1995)


O malandro e sensual Vadinho, na novela Dona Flor e seus Dois Maridos.   
Edson Celulari também tem um carinho especial por alguns personagens, como Mariel Batista, da série Decadência, e Vadinho, de Dona Flor e seus Dois Maridos. 

Lidia Brondi e Edson Celulari na novela O Homem Proibido
O jovem bancário Carlos de O Homem Proibido

Como o capitão Hélio Aguiar da série Aquarela do Brasil
Edson Celulari e Silvia Salgado na novela  Plumas e Paetês


Em Plumas e Paetês, como Kurlan Salgado: um dos primeiros trabalhos na Globo.



Claudia Raia e Edson Celulari na novela  Deus nos Acuda

Tereza Seiblitz e  Edson Celulari na novela  Explode Coração

Edson Celulari na novela Torre de Babel

Christiane Torloni e Edson Celulari na novela  Alto Astral

Na telinha

1978 - Salário Mínimo
Ivan
1986 - Cambalacho
Thiago
1989 - Que Rei Sou Eu?
Jean Pierre
1992 - Deus nos Acuda
Ricardo
1993 - Fera Ferida
Raimundo Flamel
1995 - Explode Coração
Júlio Cezar
1998 - Torre de Babel
Henrique
2014 - Alto Astral
Marcelo
2017 - A Força do Querer
Dantas

Texto: Flávia Serra

Publicado na revista TV Brasil n/n 889
Trajetória
Fotos: Extra Online-regnovelas.altervista.org.Gshiw-Globo.com-Memória Globo

Melhores Do Ano De 2016

Novela Etal Mundo Bom!

Marco Nanini 
Melhor ator coadjuvante

Camila Queiroz
Melhor atriz coadjuvante

Bianca Bin
Melhor atriz

Nathalia Costa
Melhor atriz mirim

Xande Valois
Melhor ator mirim

Eta Mundo Bom!
Melhor novela

Minissérie Justiça

Justiça
Melhor Minissérie

Novela Velho Chico

Lucy Alves
Melhor Revelação

Domingos Montagner
Melhor ator

Selma Egrei
Melhor vilã

Novela Haja C oração

 Marcos Pitombo e Sabrina Petraglia 
Melhor casal

Novela Cheias de Charme

Cláudia Abreu e Ricardo Tozzi
Melhor Reprise

Publicado na revista Minha Novela n/n 908 27/01/2017
X-TUDO 12º Melhores do ano

O Filme O Chefe Da Casa ( Man With A Plan)

Matt LeBlanc

O Chefe da Casa (Man With A Plan) é uma nova série estrelada por Matt LeBlanc, famoso por Friends. Ele é Adam, um empreiteiro que descobre as dificuldades da vida paterna quando sua mulher, Andi (Liza Snyder) volta ao trabalho. A nova função, que ele esperava que fosse tranquila, se prova mais difícil do que muitos desafios que ele enfrentou em sua vida profissional.

Warner
Domingo às 13h

Publicado na revista Minha Novela n/n 908 27/01/2017

Jornada Dupla

Nathalia Dill revela os desafio de interpretar as gêmeas Júlia e Lorena, em Rock Story


Nathalia Dill e Vladimir Brichta
O par romântico com Vladimir Brichta, na trama das 7,Rock Story
caiu no gosto do público.
O que difere a Júlia, de Rock Story, das outras heroínas homônimas é ter uma gêmea, e se desdobra para viver a protagonista com personalidades que têm temperamentos opostos.

Confira as inesquecíveis Júlias que já passaram pela telinha 

Sônia Braga
em Dancin'Days (1978)


Viveu 12 anos na cadeia, pela morte de um guarda. Ao sair da prisão, busca a inclusão na sociedade e o amor de sua filha Marisa (Glória Pires)

Débora Bloch
em Andando nas Nuvens (1999) 

Jornalista esperta e bem humorada.Vive um relacionamento conturbado com o colega de trabalho, Chico Mota (Marcos Palmeira).

Adriana Esteves
em Morde e Assopra (2011)

Paleontóloga, vive em meio a fósseis, de dinossauros. Mas ela cria confusão ao buscar ossos na fazenda de Abner (Marcos Pasquim)

Bianca Rinaldi
em Pequena Travessa (2002)

Depois do triste atropelamento do pai, Júlia vira office boy para sustentar a família. E se disfarça de homem para trabalhar no cargo.

Glória Pires
em Belíssima (2005)

Era a presidente de fábrica de lingeries Belíssima. Muito tímida, sofria constantemente da avó, Bia Falcão (Fernanda Montenegro).

Por Thomaz Rocha

Publicado na revista Minha Novela  n/n 908 27/01/2017
Fotos:Divulgação/Rede Globo/Reprodução/Instagram-Viva-Memória Globo-ClickGrátis-Belíssima

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O Clone





O mesmo corpo, três histórias - O Clone mostrou que mesmo com aparências idênticas, as personalidades são completamente distintas.
Giovanna Antonelli e Murilo Benício
A história da trama foi ambientada pelo amor proibido entre a muçulmana Jade (Giovanna Antonelli) e o brasileiro Lucas (Murilo Benício). Eles se conheceram no Marrocos quando Jade, que vivia no Rio de Janeiro, foi para sua terra natal após a morte da mãe. Na cultura árabe, Jade estava prometida por seu tio a se casar com Said (Dalton Vigh), e isso a impossibilitou de viver seu amor com Lucas. 

A vida no Rio

Murilo Benício fez os gêmeos Lucas e Diogo

Lucas era irmão gêmeo de Diogo (Murilo Benício), mas os dois tinham personalidades completamente diferentes. Quando Lucas voltou ao Brasil, precisou lidar com a morte do irmão, após um acidente de helicóptero.
Augusto Albieri
Murilo Benício
Inconformado, com a perda do afilhado, Albieri (Juca de Oliveira), que era cientista, decidiu clonar o rapaz usando as células de Lucas. 
Adriana Lessa
Sem que ninguém soubesse ele fez inseminação artificial em Deusa (Adriana Lessa). A jovem acreditou que faria um procedimento comum.

20 anos depois

Murilo Benício, Debora Falabella, Daniela Escobar e Neusa Borges
Após uma passagem de tempo na trama, Lucas já estava casado com Maysa (Daniela Escobar) e era pai de Mel (Debora Falabella), uma adolescente problemática.

Giovanna Antonelli, Carla Diaz e Dalton Vigh)
Já Jade(Giovanna Antonelli), cumpriu o acordo do tio e se uniu a Said (Dalton Vigh). Juntos tiveram Khadija (Carla Diaz). Foi nesta fase que o destino uniu Jade e Lucas novamente quando a muçulmana retornou a  Rio de Janeiro e reencontrou seu grande amor. 

Revelações finais

Murilo Benício e Juca de Oliveira
Léo (Murilo Benício), o clone, que vivia com a avó  a mãe, tinha Albieri como padrinho e nem ele nem sua família suspeitavam de sua verdadeira origem.Por ironia do destino, Léo conheceu Jade e apaixonou-se por ela, mas logo que isso aconteceu, o rapaz descobriu sua verdadeira história de vida. Ele passou a se questionar e tentou encontrar qual era seu lugar no mundo.O jovem ainda teve que lidar com a briga de Deusa, seu 'pai biológico', na justiça. Sem respostas sobre a vida, Albieri e Léo desapareceram nas dunas do deserto do Saara no capítulo final.

Cena memorável

Eliane Giardini e Raul Gazola
Nazira (Eliane Giardini ) irmã de Said (Dalton Vigh), e de Mohamed (Antonio Calloni), nunca se casou, porque pela morte da mãe, ela ficou cuidando da casa e dos irmãos. Mas apaixonou-se por Miro (Raul Gazola) e fugiu com ele.

Giovanna Antonelli e Murilo Benício
Já Jade e Lucas conseguiram ficar juntos.

Texto: Vitória Palmejani/Colaboradra

Ficha Técnica 

Emissora: Globo
Capítulos:221
Autora: Glória Perez
Exibição: de 1 de outubro de 2001 a 15 de junho de 2002, às 20h30

Publicado na revista Guia da TV n/n 522 - ano 11 -31 de março de 2017
Replay de Emoções: Anos 2000
Fotos: Reprodução/Rede Globo/Globo/Divulgação-Memória Globo-João Mogieç Junior/Globo-Vcfaz

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Glória Perez - Engajamento Social

Gloria Perez
As novelas de Gloria Perez prestam serviços à sociedade


Já é tradição! Sempre que uma trama da atora entra no ar, temas polêmicos e extremamente importantes passam a ser discutidos mais amplamente.Na contramão de seus colegas de profissão,que escrevem suas tramas em parcerias e co-autorias, a veterana prefere trabalhar sozinha e não tem medo de errar."Paixão não se divide" sentenciou. Abordando temas tão delicados, a global sente nas ruas a resposta de seu bom trabalho. "O povão fala que gosta das minhas novelas porque retrato a vida como ela é. Quando você pensar que teve uma ideia muito louca, a vida vem e te dá mil", contou Glória, que já discutiu inúmeros temas impactantes ao longo de sua trajetória na dramaturgia.

Carol Duarte
Carol Duarte será a responsável por interpretar a transexual na história

 Com a próxima atração, A Força do Querer, não será diferente e, entre outros assuntos, a escritora abordará a questão da transexualidade.Na história, Ivana (Carol Duarte) será uma jovem que não se identifica com o gênero que nasceu e, aos poucos, vai se descobrir um homem. "Escrever é uma maneira de conversar sobre o que acontece em torno de nós. Quero abordar a dificuldade que as pessoas têm de conviver com a diferença", ressaltou Glória. 

Confira, a seguir, as narrativas que mais se destacaram!  

Barriga de Aluguel (1990)
Barriga de aluguel

Cláudia Abreu
Protagonizada por Cláudia Abreu e Cássia Kiss, ainda na década de 90, Barriga de Aluguel (1990) causou frisson ao mostrar a história de um casal rico que paga para que uma mulher gere um filho para eles. Após seu nascimento, o bebê torna-se centro de uma disputa entre a mãe biológica e os pais que o 'encomendaram', trazendo à tona uma prática antiga e ilegal que se desenvolvia no Brasil de forma silenciosa. Vista como revolucionária por muitos, a novela obteve altos índices de audiência e deu início à tradição criada por Glória de abordar temas nebulosos e bem 'cabeludos'. Marcou época!

O Clone (2001)
Clonagem

Murilo Benicio
Murilo Benicio viveu os gêmeos Lucas e Diogo e o clone deles, Léo.

Um dos maiores sucessos da global, O Clone (2001) surpreendeu ao abordar a clonagem embrionária. Na obra, o cientista Albieri (Juca de Oliveira) utiliza material genético de seu afilhado Diogo (Murilo Benício) e acaba criando um clone do mesmo, abrindo os olhos do mundo para questões como a ética, ciência e religião. "Numa sociedade tão individualista como a nossa,  como seria a vida de um clone? Logo, cheguei à figura de Deus, porque foi ele quem criou o homem e porque o geneticista é uma espécie de representação de um deus moderno, O cientista é um deus que recria a vida dentro de um laboratório", explicou Glória. 

O Clone (2001)
Vício em drogas

Debora Falabella
O mesmo folhetim ainda mostrou casos de alcoolismo e dependência química, chocando o público com as dramáticas cenas de Mel (Debora Falabella). No decorrer de toda a história, a jovem se viciou e entrou em decadência, mas venceu o problema. "As drogas estão aí, ganhando espaço e destroçando vidas. Não dá mais para fazer de conta que o problema não existe. Estou fazendo a minha parte, espero que a imprensa e as instituições façam as suas. Falar de um assunto não é fazer a apologia dele!", declarou a autora na época de estreia de sua produção.

América (2005)
Imigração ilegal

Deboara Secco
A sofredora Sol (Debora Secco), de América, serviu de exemplo para um outro assunto importante. Almejando crescer na vida, a jovem entre ilegalmente nos Estados Unidos e sonha com o green card, que lhe daria acesso livre ao país. A ida da mocinha para  seu sonhado destino, no entanto, foi repleto de barbaridades e Glória denunciou todo o mescado ilegal existente ao longo da travessia e a ação dos chamados coiotes, que intermediavam a passagem. Isso gerou inúmeras reportagens na mídia e atuou como alerta pata milhares de pessoas que mantinham desejos semelhantes ao de Sol.

Salve Jorge (2012)
Tráfico de pessoas


Nanda Costa
Em Salve Jorge (2012), a escritora destacou a prostituição de brasileiras no exterior. Na história, Morena (Nanda Costa) era agenciada para se tornar uma modelo internacional, mas, ao chegar na Turquia, se deparava com sua nova realidade: seria garota de programa. "Me interessei pelo tema e fui atrás. É uma forma  de escravidão. A trama abordou o trafico para diferentes fins: sexual, trabalho doméstico e adoção ilegal. Teve uma companha de esclarecimento" definiu.A abordagem rendeu à Glória citações na imprensa internacional e o reconhecimento de ONGs que há anos combatiam a causa e lutavam contra o anonimato.

Texto: Luana Rodriguez

Publicado na revista TV Brasil n/n 888
Tema Quente
Fotos: Purepeople