terça-feira, 27 de março de 2012

Carlos Romero - Envelheçamos Rindo!



um conto - uma crônica

Ter muitos anos de existência não é castigo, e sim, prêmio. Mas há um preço para quem é longevo. O da responsabilidade. E a verdade é que todo mundo deseja ter muitos anos de vida, pois, nas festinhas de aniversário, costuma-se cantar aquela modinha que termina desejando ao aniversariante "muitos anos de vida". Horrível se a modinha desejasse ao aniversariante poucos anos de existência.



Velhice é uma beleza quando se está em paz com a consciência, não se tem inimigos, segue-se uma religião saudável, que não fala em pecados, em um deus tirano, nem inferno eterno.



Na universidade da vida, quem tem doutorado é quem tem mais anos de existência. Porque viver mais é ter mais experiência e mais sabedoria. E sabedoria é discernimento.



Não me diga que você desejaria voltar a ser criança, pois eu tenho muita piedade dos que trocam a sabedoria pela ignorância.



Minha mãe costumava dizer que não tinha raiva da velhice e sim dos velhos. O velho é que estraga o peso os anos, com seus preconceitos, seu apego ao passado, ao ponto de dizer numa conversa: "no meu tempo não era assim", como se já tivesse morrido...



E, aqui para nós, o que envelhece é o corpo. Assim mesmo se o corpo for bem tratado, sem abusos e extravagâncias, tudo muito bem.E velho é quem se sente velho. Só isso. Os crepúsculos bem que lembram as madrugadas. Não me lembro, agora, do filósofo que disse que quando a morte chegasse, o encontraria aguando o seu jardim.



Vamos continuar acendendo as velinhas do bolo de aniversário, desejando ao aniversariante muitos anos de vida. Muitos anos de experiências, muitos anos de sabedoria, muitos anos de paz e amor.



Fazer plástica não é mau. Mas a melhor plástica é a do sorriso, que afasta as rugas e não custa nada. Se o leitor duvida que vá ao espelho, que não sabe mentir.



Outra coisa, o grande remédio para o peso dos anos é a ocupação. A ociosidade enferruja, envelhece. Minha mãe, já bem velhinha, decifrava palavras cruzadas e lia muito.Não deixava o cérebro enferrujar. E adorava vestidos coloridos.



Quem tem razão é o mestre da ironia  Millor ao dizer que a gente só envelhece porque registraram o nosso nascimento. Não fosse isso, a gente nem pensava em velhice. Vejam as crianças. Elas têm curiosidade para tudo, menos para a idade.



A maior dádiva da vida é a experiência, que amadurece as pessoas e que dá esta coisa valiosa que se chama sabedoria.



E viva Bilac que cantou:

"Não choremos jamais a mocidade!

Envelheçamos rindo! envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem."

 Carlos Romero Professor e cronista. Membro da Academia Paraibana de Letras.

Publicada no jornal A União.Coluna DestaqueEdição de 26/03/1012. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário