quarta-feira, 27 de abril de 2016

A Novela Baila Comigo


35 anos

Quando estreou - em 16 de março de 1981 - Baila Comigo deixava dúvidas se alcançaria o sucesso desejado pela Rede Globo e toda equipe de produção, afinal, o autor Manoel Carlos havia realizado bons trabalhos na faixa das 18h, mas apenas colaborado na trama Água Viva, de Gilberto Braga. Na prática, Maneco era um estreante  no horário nobre.A história também era bem simples - gêmeos que não sabiam da existência um do outro - e trazia para Tony Ramos o  desafio de interpretar dois personagens com personalidades distintas numa época em que não existiam tantos recursos tecnológicos como hoje.
Torloni interpretou a filha da protagonista

O texto rico, os diálogos poderosos, além de papéis bem humanizados, logo ganhou a simpatia do telespectador. O de Christiane Torloni foi um deles! No folhetim, ela interpretou a Lia, filha caçula da protagonista Helena (Lilian Lemmertz). E a estrela lembrou com muito carinho desse trabalho, pois, além de viver uma Helena de Manoel Carlos anos mais tarde, ficou amiga da interprete da protagonista.

Lilian , ótimas lembranças 


 Lilian Lemmertz morreu em 1986 aos 48 anos , vítima de infarto
A trama marcou por apresentar ao público a primeira Helena de Manoel Carlos, personagem principal que viria a ser constante em todas as novelas do autor. E o veterano é eternamente grato à Lilian Lemmertz por sua contribuição em desenvolver aquela personalidade pela primeira vez. "Sempre gostei desse nome e ela incorporou tanta coisa com gestos, olhares, comportamento e sensibilidade, que a Helena ficou com a cara da Lilian", relembrou Maneco, emocionado. Celebrada até hoje pelos colegas de profissão, a estrela foi lembrada por praticamente todo o elenco da trama Baila Comigo. "Eu e ela anda ficamos como mãe e filha por muitos anos depois do fim da novela. Lilian era muito amiga da minha mãe e atuaram juntas no teatro", afirmou Torloni.

Relembre a história
 Raul Cortez viveu o empresário Quim
 Fernando Torres foi Plinio
 Lúcia viu sua vida virar do avesso
Helena, mulher de classe média e vida difícil, descobriu que teria gêmeos e, como não pôde criá-los, deixou um no exterior com o pai verdadeiro, Quim (Raul Cortez), e criou o outro ao lado de Plínio (Fernando Torres), com quem se casou posteriormente. Mas a culpa e a angústia pela mentira assombrou a moça e, após 27 anos, ela se viu em um dilema. Enquanto Quinzinho tinha absoluta certeza que vivia na família perfeita, João Victor descobriu que não era filho legítimo de Quim e Marta (Tereza Rachel) e quis desvendar sua origem. Além disso, o destino fez Quim voltar ao Brasil para cuidar da saúde e com isso ele se reaproximou do herdeiro que rejeitou no passado. Marta, ressentida por ter sido enganada e mesmo sabendo que João Victor era filho biológico do marido, fez de tudo para que o moço pensasse que foi mesmo adotado. Quem também entrou no drama foi Lúcia (Natália do Valle), médica que ajudou no parto dos gêmeos. Anos mais tarde, ela se envolveu em um acidente com Quinzinho e os dois se apaixonaram.

Outros destaques

 Os pombinhos Débora e Caê
Baila Comigo também teve no elenco nomes que nunca mais saíram da memória do público, como o saudoso Lauro Corona, que morreu em 1989, por complicações da Aids. Na trama ele viveu Caê, grande amigo de Quinzinho e um típico malandrinho carioca, que pegava o carro da irmã para curtir gatas e baladas. Lauro encontrou o tom certo do personagem e fez de seu namoro com a rica e sensível Débora (Beth Goulart) um dos grandes romances da trama. 
Lídia Brondi como Mira
A novela tinha ainda a chata Mira, interpretada por Lídia Brondi, que deixou a carreira de atriz e atualmente é psicóloga. No início ela era obcecada por Quinzinho, mas depois trocou de irmão e se interessou por João Vitor.

Estrela 'revoltada'

 
 Betty adorava fazer a trama, mas achou que seu papel era pequeno e 'reclamou'


Para dar sentido ao nome do folhetim, Betty Faria fez um brilhante trabalho como a Joana, dona da academia Baila Comigo. No entanto, ao longo da atração, a personagem ficou um pouco esquecida pelo autor, algo que a atriz se ressente até hoje... "Quase não aparecia e reclamava, fui ficando muito chata na época. Depois disso, o Maneco nunca mais me chamou para uma novela dele", afirmou Betty.

Astro em dose dupla

Quinzinho e João Victor
Tony Ramos
"Quantos momentos fascinantes eu tive fazendo esses gêmeos"
Tony Ramos guarda doces lembranças de seus gêmeos João Victor e Quinzinho. "Que momento bonito na minha carreira, um elenco lindo. Baila Comigo trouxe pra mim um dos momentos mais desafiantes da carreira", acredita o ator que, para diferenciar os irmãos de personalidades tão diferentes, usou, além do talento, recursos técnicos de voz, postura corporal e respiração. A caracterização em si, era mínima.  

Você sabia?

Beatriz Lyra e Milton Gonçalves sofreram com o racismo da sociedade. 

- Milton Gonçalves viveu o personagem Otto Rodrigues, casado com Letícia (Beatriz Lyra). E o racismo nos anos 80 era tão forte como agora. "Você não imagina o que ela sofreu na época, coitada. Foram muitas críticas, do público e de dentro da própria equipe. Era muito raro uma atriz branca, bonita e conceituada fazer par romântico com um ator negro".

- A primeira opção de Manoel Carlos para a estreia de sua Helena foi Fernanda Montenegro, mas a direção da novela 'bateu o pé' e escalou Lilian Lemmerts. Então, Maneco escreveu para a amiga o papel de uma atriz, Sílvia Toledo;

- Na trilha sonora, a Globo abusou de canções alegres, 'dançantes'e românticas, e os 'discos' venderam milhares de cópias na época. Curiosamente, o 'LP internacional' trazia na capa uma foto romântica de Reginaldo Faria e Natália do Valle, mas seus personagens se viram durante a trama.

Texto: Núcia Ferreira

Publicado na revista TV Brasil n/n 836
Clássicos

Fotos: Globo. Divulgação/Reprodução - lidiabrondi.wordpress.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário