terça-feira, 1 de agosto de 2017

Onélia Queiroga - As Flores

Existem lindas flores nos jardins do mundo; nos jarros das janelas de moradias diversificadas, enfeitando-as, feericamente. Não deixam de ser flores, de todas as espécies e de todas as cores, com mil finalidades.

As rosas brancas, reunidas num buquê, trazem fluídos positivos. Lembram a harmonia entre os seres humanos; a paz entre as nações;  a reconciliação entre rivais. Lembram, com intensa alegria, a entrada dos nubentes, na Igreja, rumo ao altar, para receber a consagração do Sacerdote, na benção final do "sim".


As rosas azuis transmitem mensagens de final defendidos por correntes ideológicas distintas, por respeito à regra de que cada um tem o direito de escolher a teoria em que acredita e defende.



As rosas amarelas adornam as festas, os lares, praças e jardins e, vez por outra,os cabelos das mulheres charmosas e belas. As rosas vermelhas são de espécies e tonalidades múltiplas, destacando-se a chamada "Rosa da montanha", de flores vistosas que se desfazem, facilmente, e de folhas penadas, vermelhas, quando novas.



As rosas vermelhas ornam os cabelos de belas dançarinas. Nas arenas das touradas são jogadas, após a vitória, pelos toureiros à sua amada, como na película cinematográfica, "Sangue e Areia", pelo famoso galã  hollywoodiano, Tyrone Power.



Hoje, a Rosa Vermelha é escolhida, para ornar Igrejas, nos casamentos, para embelezar as alfaias antigas das requintadas mansões, durante recepções principescas.



Onélia Queiroga
Escritora e Professora de Ciências Jurídicas da Faculdade de Direito da UFPB

Publicada no jornal Correio da Paraíba
Edição de 30 de julho de 2017
Aos Domingos
Caderno 2

Nenhum comentário:

Postar um comentário