quarta-feira, 14 de março de 2018

Germano Romero - Perdão Às Estrelas



Será que fui peixe numa remota encarnação? Sim, porque tomando como verdadeira a assertiva atribuída ao pensador Léon Denis, de que "o Espírito dorme no mineral, sonha no vegetal, movimenta-se no animal e desperta no homem", é bem capaz de eu ter vivido no mar.

E não é porque somos loucos pelos oceanos que tais elucubrações nos emergem, mas, por sermos apaixonados pelo inverno, seus fenômenos molhados, e por tudo de bom que ele traz.Frio, umidade, orvalho, silêncio, aromas férteis e um imenso conforto na alma. Principalmente a chuva! Não há espetáculo mais belo do que ver a água que evaporou dos lagos, rios e mares, juntou-se nas nuvens, bailou pelos céus, tentando esconder o Sol,e de repente, resolve voltar  à terra para começar tudo outra vez.

E a alegria de recebê-la não é só nossa. Com a observação antenada para a poesia das sutilezas e limpando os olhos da alma, dá para ver como as plantas se regozijam com um banho de chuva.

Claro que é impossível não admirar as belezas do verão, assim como de todas as estações, mas, do inverno, que nos traz o frio, a chuva, a neve, os ventos uivantes que tudo varrem e o gostoso aconchego do sossego, somos fãs inveterados e incorrigíveis. Está no sangue, na alma, no coração, sabe-se lá onde esse amor não está. Quiçá, como disse, numa encarnação longínqua em que nadei de barbatanas.

A verdade é que esse amor pelo céu plúmbeo é tão exacerbado que, já saudosos das chuvas que encerraram o carnaval, minha cara-metade abriu a janela, uma noite dessas, e disse: deixe-me ver como está o céu". Desapontada, lamentou-se: "Está terrivelmente estrelado". Tive que rir e acrescentei: "Acho que somente uma tamanha paixão pela chuva faria alguém neste mundo dizer uma coisa dessas..."E o remorso logo lhe ecoou:"É mesmo...tão lindas que são as estrelas. Vou ali, olhá-las. Para tentar-me redimir.

Germano Romero.Arquiteto e bacharel em Música

Publicada no jornal Correio da Paraiba
Edição de 02 de março de 2018
Opinião

Nenhum comentário:

Postar um comentário