terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Brega E Chique


A novela contou a história de duas mulheres com realidades diferentes.
Há 30 anos estreava na telinha da Globo Brega E Chique. Exibida às 19 horas, a trama de Cassiano Gabus Mendes seguiu o padrão de levar a comédia para esse horário e o sucesso foi grande, tanto que ultrapassou os índices de audiência de O Outro, história de Aguinaldo Silva que estava sendo apresentada na faixa das 21h.
Marília Pêra
Rafaela Alvaray era uma socialite acostumada com o luxo e a vida boa.
A novela se passava na cidade de São Paulo e tinha duas personagens centrais, Rafaela (Marília Pêra) e Rosemere (Gloria Menezes), mulheres com realidades completamente diferentes. Enquanto Rafaela era uma rica e sofisticada socialite que vivia numa regão nobre.
Gloria Menezes
Rosemere era uma dona de casa simples e batalhadora, que passava dificuldades e morava em um bairro da periferia.Mas a simples dona de casa enriqueceu do dia para a noite. Mas as duas tinham algo em comum: o marido! Isso mesmo, o empresário Herbert Alvaray (Jorge Dória) era casado com as duas protagonistas.

Jorge Dória
Para escapar da falência, Herbert (Jorge Dória) simulou a própria morte e fugiu.

Duas realidades

Patricia Pillar,Tarcisio Filho,Cristina Mullis, Tato Gabus Mendes e Celia Biar.
A família de Herbert era formada pelos três filhos, Ana Cláudia (Patricia Pillar), Teddy (Tarcisio Filho) e Tamyris (Cristina Mullis), além do genro Mauricio (Tato Gabus Mendes) e da sogra Francine (Celia Biar).Já no canto mais pobre da cidade, o empresário tinha outra prole. Lá ele era conhecido como Mário Francis e tinha uma herdeira, Márcia (Fabiane Mendonça), com Rosemere.

Golpe de mestre

Marília Pêra e Glória Menezes
Para escapar da falência Herbert simulou a própria morte, abandonou a família e deixou muitas dívidas. Preocupado com Rosemere, o moço deixou para ela uma boa quantia em dólares . Assim a vida das duas mulheres sofreu uma reviravolta. Rafaela ficou na pior e se mudou para um bairro simples. Por ironia do destino a ex-ricaça foi morar na mesma vila em que a amante do marido vivia e as duas se tornaram amigas. Rosemere dava dicas para a socialite de como economizar e viver com menos grana.A história da mulher rica que perdeu tudo e da pobre que se transformou em madame foi um fenômeno de audiência em 1987.Ambientada na cidade de São Paulo, Brega e Chique contou a história da socialite Rafaela (Marília Pêra) e da dona de casa Rosemere (Glória Menezes) que, sem saber, eram casadas com o mesmo homem.O destino de duas mulheres, uma rica e a outra pobre, foram cruzados sem que elas sequer imaginassem o forte vínculo que as aproximava. Em comum, tinham apenas uma coisa: o marido. Esse foi o ponto de partida de Brega e Chique - um dos maiores sucessos de Cassiano Gabus Mendes e da história da teledramaturgia nacional.

Marília Pêra
Rafaela (Marília Pêra), a Alfa I, era a oficial. Rica e fútil, não sabia lavar uma louça e nem por um segundo imaginava que Herbet (Raul Cortez) tinha outra família.
Glória Menezes
Já Rosemere (Glória Menezes), a Alfa II, era uma mulher do povo, que também não desconfiava que o marido que vivia viajando era, na verdade, milionário e casado com outra.

Ascensão e queda 

Raul Cortez
O empresário mantinha duas famílias
 A trama começou voltando os holofotes para Herbet Alvaray (Raul Cortez) que tinha duas esposas, 

Falido, Herbert  (Raul Cortez) decidiu simulou a própria morte e fugir do país. Esse fato virou de ponta a cabeça não só a vida de Rafaela (Marília Pêra) como a de Rosemere (Glória Menezes). Enquanto a socialite descobriu que ficou pobre e que perdeu absolutamente tudo, inclusive a mansão onde morava, Rosemere (Glória Menezes) herdou uma fortuna em dólares. A história complicou ainda mais quando Rafaela (Marília Pêra) se mudou justamente para a  rua onde vivia a Alfa II de Herbert (Raul Cortez). Sem saber que são 'viúvas' do mesmo homem, elas ficaram amigas. Rafaela (Marília Pêra) até deu aulas de etiqueta a Rosemere(Glória Menezes), uma emergente que não tinha a menor ideia de como uma mulher rica deveria se comportar na sociedade.A 'morte' de Herbert (Raul Cortez) fez com que os pretendentes de Rafaela (Marília Pêra) e Rosemere (Glória Menezes) tivessem, finalmente, esperanças de conquistá-las. 

Admiradores

  
Marcos Nanini
Montenegro era cúmplice de Herbert
Montenegro (Marcos Nanini) - fiel escudeiro e cúmplice do empresário - se manteve próximo à socialite (Marília Pêra), por quem sempre nutriu uma paixão platônica. Nesse período difícil, Rafaela contou também com a ajuda de Montenegro (Marco Nanini), que era secretário e cúmplice de Herbert em toda a tramoia. Só que o cara era apaixonado pela dondoca e fazia de tudo para consolá-la. Os dois inclusive, fizeram cenas hilárias, que ficaram marcadas na telinha.
Dennis Carvalho
Baltazar era um 'casca grossa' apaixonado
Rosemere,(Glória Menezes) por sua vez, foi assediada pelo encrenqueiro Baltazar (Dennis Carvalho), um marceneiro grosseirão, mas muito apaixonado por ela havia anos.Rosemere também tinha um admirador, o marceneiro, Baltazar (Dennis Carvalho), um homem bronco, mas com enorme coração e que vivia com o sobrinho, Bruno (Cássio Gabus Mendes). O jovem era tímido e falava um português sofrível, para desespero do tio, e alegria do público. 

Volta do morto 

Raul Cortez
Herbert voltou como Cláudio Serra
Depois de passar por uma cirurgia plástica radical, que mudou completamente seu rosto, Herbert voltou para ver como estavam as coisas. Só que ele retornou como Cláudio Serra, vivido então por Raul Cortez. O malandro se aproximou novamente de suas mulheres, a quem chamava de Alta I (Rafaela) e Alfa 2 (Rosemere). Galanteador, convidou cada uma delas para um jantar especial e, durante a conversa, perguntou sobre o marido de ambas. Para sua surpresa, tanto uma quanto a outra falaram muito mal do 'falecido' e ele, completamente desconfortável, jurou que iria conquistá-las novamente.


Farsa descoberta

Raul Cortez e Jorge Dória
Jorge Dória como Cláudio (Herbert - (Raul Cortez)
Bastante desconfortável ao ouvir horrores sobre como agia com elas no passado, e querendo limpar a própria 'barra', Cláudio (Jorge Dória/Raul Cortez) quase deixou escapar sua verdadeira identidade.Rafaela (Marília Pêra) e Rosemere (Glória Menezes) viraram amigas e a convivência fez com que percebessem que os seus ex-companheiros tinham muitas afinidades. Tempos depois, descobriram que Herbert (Raul Cortez) e o humilde Cláudio (Jorge Dória) eram a mesma pessoa.No final da trama, Cláudio Serra se deu muito mal. Ele foi desmascarado e todos descobriram sua verdadeira identidade e também os motivos que levaram o empresário a arquitetar o plano sórdido e enganar suas famílias. Sem defesa, ele acabou sozinho, completamente abandonado por suas 'alfas'. Cláudio/Herbert, aliás, morreu dormindo, enquanto sonhava com seu verdadeiro rosto. Após a morte do empresário, as três mulheres reconstruíram suas vidas com outros companheiros.
Nívea Maria
 Elas ficaram chocadas e, pior ainda, quando chegaram à conclusão de que o safado tinha uma terceira mulher, Zilda (Nívea Maria), a melhor amiga da socialite. Aí foi mesmo confusão geral!.As duas ainda ficaram sabendo da existência de Zilda (Nívea Maria), a Alfa III. Rafaela (Marília Pêra) se espantou quando descobriu que, além dela e Rosemere (Glória Menezes), havia mais uma mulher de seu marido.
Marília Pêra e Marcos Nanini
Nos últimos capítulos, Rafaela (Marília Pêra) teve um final feliz com Montenegro (Marcos Nanini) 
Glória Menezes e Dennis Carvalho)
Rosemere (Glória Menezes) se casou com Baltazar (Dennis Carvalho)

Nívea Maria e Paulo César Grande
E Zilda (Nívea Maria) se casou com Pedro (Paulo César Grande).



Aluno carismático

Cássio Gabus Mendes
Bruno (Cássio Gabus Mendes) falava muito errado, mas ganhou o carinho da bela professora (Patrícia Travasso).

Patrícia Travasso

Quem roubou a cena na trama foi Bruno (Cássio Gabus Mendes), sobrinho do marceneiro Baltazar ( Dennis Carvalho). Ingênuo, simpático e com sérias dificuldades com a língua portuguesa, ele conquistou a simpatia do público. Ao longo da trama, Bruno (Cassio Gabus Mendes) se envolveu com a professora Mercedes (Patrícia Travasso). Na reta final, os dois ficaram juntinhos.



Texto: Cristina Souza

Curiosidades

Pode-se dizer que Brega e Chique foi um fenômeno de audiência. A novela marcou inacreditáveis 62 pontos no Ibope, mais do que o O Outro, trama exibida no horário nobre, na época . Tamanha repercussão fez com que o folhetim lançasse moda. As lentes de contato usadas por Rafaela e Rosemere, por exemplo, ganharam as ruas rapidamente.

A abertura da novela Brega e Chique causou muita polêmica ao mostrar o modelo Vinícius Manne com o bumbum descoberto, ao som de Pelado, da banda Ultraje a Rigor, aquela com o inesquecível e hilário refrão: "Pelado, pelado, nu com a mão no bolso". 

O titulo da novela foi escolhido pelo então todo poderoso da Globo,  José Bonifácio de Oliveira Sobrinho,mais conhecido como Boni.

Outro fato interessante é que esta trama marcou a volta de Marília Pêra às telenovelas após 13 anos.

Também foi a primeira vez que Glória Menezes e Marília  Pêra trabalharam juntas. Como ambas eram protagonistas, a ordem de aparição dos nomes era alternada diariamente. 

Brega e Chique marcou a estreia de Ana Rosa na Globo.

Também promoveu a volta de Dennis Carvalho como ator, após anos atuando por trás das câmeras como diretor.

Ficha técnica1

Emissora: Rede Globo
Capítulos: 173
Exibição: 20 de abril a 07 de novembro de 1987
Horário: 19h
Autor: Cassiano Gabus Mendes.

Texto: Cristina Souza


Texto:Flavia Serra

Publicado na revista TV Brasil n/n 825/893
Vale a Pena Ler de Novo
Fotos: Gshow - Globo-Gshow -Mercado Livre-Memória Globo - Astros em Revistas-blogger-Globo.com-CEDOC-Divulgação/Globo
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário