sábado, 15 de abril de 2017

Trapalhões Eternos


Mauro Faccio Gonçalves(Zacarias),Antônio Carlos Bernardes Gomes( Mussum), Antonio Renato Aragão( Didi) e Manfried Sant'Anna (Dedé)

Quarteto mais famoso da televisão brasileira faz aniversário!
Há 40 anos, a Rede Globo exibia, pela primeira vez, um dos humorísticos mais populares do Brasil. Protagonizado por Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, e repleto de tiradas politicamente incorretas e piadas escrachadas, Os Trapalhões conquistaram gerações e permaneceram no ar por quase 20 anos!"Talvez, hoje, eu seja o Didi mais do que eu mesmo. Ele tem mais de 55 anos e já se misturou com o Renato Aragão.  É uma responsabilidade muito grande ter passado pelas três gerações que o Didi passou",comemorou Renato. A obra fez tanto sucesso que foi vendida para países como Angola, Canadá, Estados Unidos e Portugal. Nas terras lusitanas, aliás, uma versão foi criada e encenada por Renato, Dedé e Roberto Guilherme (o famoso Sargento Picel), com mais um elenco de atores portugueses e exibida pela emissora local Sociedade Independente de Comunicação.

Outro elenco teve, sim!

Wanderley Cardoso,Ted Boy Marino, Ivon Cury e Renato Aragão.
Curiosamente, a formação mais famosa da trupe não foi a primeira. Em 1965 Renato apresentava um programa na TV Excelsior denominado Adoráveis Trapalhões. Na ocasião, o grupo era formado por Wanderley Cardoso, Ivon Cury e Ted Boy Marino. 

Dedé, Zacarias,  Mussum  e Didi
Embora Didi e Dedé tenham se conhecido em 71, nos corredores da extinta TV Tupi, foi apenas em 1975 que a versão clássica do grupo se formou. E foi o próprio Dedé o responsável por trazer Mussum para a 'gangue'. "Não sou humorista, sou apenas um tocador de reco-reco",teria dito o então músico para Dedé antes de mudar de ideia. Zacarias foi o último a chegar. A fama, no entanto, se consolidou a partir de 1977, quando o grupo finalmente estreou Os Trapalhões na Rede Globo. A obra, que apresentava muitas esquetes e números musicais, foi exibida com grande audiência até 27 de agosto de 1995, sempre precedendo o Fantástico.

Início difícil

Dedé e Didi são amigos até hoje e relembram com muito carinho os tempos áureos da trupe
No entanto, nem tudo foi flores no começo. "Foi difícil romper o preconceito dos críticos pseudo-intelectuais, que malhavam mesmo sem assistir. Mas nunca me preocupei com eles, pois apesar das críticas, a audiência e a bilheteria no cinema só cresciam", declarou Renato. Reza a lenda que Carlos Drummond de Andrade pediu para avisar a um jornalista que não poderia atendê-lo, pois estava assistindo ao humorístico e isso popularizou de vez o formato. "Antes as pessoas diziam que viam um trecho enquanto passavam pelo quarto da empregada. Depois, passaram a nos assistir na TV da sala", comentou Didi.

Politicamente incorreto

Mussum virou um dos mais icônicos personagens
Didi era o líder da equipe e o mais 'atrapalhado' de todos

Com elementos hoje impensáveis para um programa considerado infantil, frequentemente os episódios exibiam tiradas preconceituosas e os personagens faziam bullying uns com os outros. "Mas não tínhamos a intenção de magoar ninguém. Era um humor circense e ingênuo. Nunca tentei ofender ninguém. Ao contrário, eu quero é conquistar! Deus me livre fazer uma piada que vai afastar qualquer alguém. Eu amo os negros, homossexuais, os gordos", defendeu Renato. O amor declarado de Mussum pela cachaça, a qual chamava carinhosamente de "mé", provavelmente também seria duramente criticado atualmente.

Você sabia?

Mussum e Chico Anysio
A grande popularidade de Mussum se deve a Chico Anysio. Isso porque o ator era um músico do grupo Originais do Samba e, no meio dos shows, costumava fazer algumas piadas. Tal fato chamou a atenção de Chico, que o convidou para participar da Escolinha do Professor Raimundo. O sambista, lisonjeado com a ideia, respondeu que não conseguia decorar textos longos, mas o comediante resolveu o problema: escreveu para ele falas curtas, terminadas em 'is'. Tal fato deu tão certo que Mussum adicionou esse linguajar ao seu personagem trapalhão, popularizando termos como 'Cacildis' e 'Forevis'.

O triste fim

Didi, Zacarias,Dedé, e Mussum 
A convivência entre os quatro nem sempre foi pacífica e a parceria passou por momentos de turbulência. Em 1983, Dedé, Mussum e Zacarias romperam com a Renato Aragão Produções, empresa que cuidava do grupo, e formaram uma própria administradora. A briga, no entanto, durou seis meses e logo os humoristas retornaram a formação. A morte do humorista Zacarias, em 1990, e a de Mussum, em 1994, foi o estopim, para o grupo. O falecimento dos amigos levou Renato a um quadro de depressão por seis anos.Para ele, até hoje é bastante difícil relembrar os amigos. "Não assisto mais aos filmes e programas antigos, porque me dá muita saudade deles", declarou.

Texto: Luana Rodriguez

Publicado na revista TV Brasil n/n 888
Túnel do Tempo
Fotos: Diário do Centro do Mundo-Historia do Cenema Brasileiro-Os Trapalhões -SiteBarra

Nenhum comentário:

Postar um comentário