terça-feira, 13 de junho de 2017

Dona Xepa


Yara Cortes 
Uma vida de muita luta - Dona Xepa, exibida no final da década de 70, mostrava a batalha de uma mãe para criar seus filhos e o desprezo que sentiam por ela.
Yara Cortes, Reynaldo Gonzaga e Nívea Maria
Há 40 anos, a novela Dona Xepa, considerada um clássico da teledramaturgia nacional, estreava na Globo. A trama de Gilberto Braga foi inspirada em uma peça de Pedro Bloch e contava a história de Carlota Soares da Costa, a Dona Xepa (Yara Cortes), uma humilde mulher que trabalhou durante toda a vida como feirante para dar um futuro melhor aos filhos Edson (Reynaldo Gonzaga) e Rosália (Nívea Maria). Abandonada pelo marido, Xepa criou os dois sozinha e, batalhadora, acordava às duas horas da manhã para comprar mercadorias e montar sua banca. 

Tudo pelos filhos
Yara Cortes e Reinaldo Gonzaga
Yara Cortes se consagrou como a feirante sofrida. Na foto, ao lado de Reinaldo Gonzaga, o filho Edson.
Apesar de todo esforço, Xepa levou um grande revés da vida quando seus herdeiros, depois de conseguirem estudar e alcançarem um nível mais elevado, se afastaram da mãe com vergonha da origem humilde da senhora.Edson aproveitou o esforço da feirante, estudou, se formou e sonhava em ser escritor. O jovem ganhou um prêmio num concurso de contos e começou , então sua escalada profissional. Só pensava em se mudar da vida em que moravam, mas queria viver sozinho, para desespero de Xepa. 

A filha interesseira

Rubens de Falco e Nívea Maria
Heitor e a ambiciosa filha de Xepa, Rosália, que se casou com ele por dinheiro.
Rosália era uma jovem ambiciosa e interesseira, que só pensava em se casar com um milionário. E ela conseguiu seu intento ao se unir com Heitor (Rubens de Falco), enteado da grã-fina Glorita (Ana Lúcia Torres) e filho do falido Raul  (Antônio Patino).

Ana Lúcia Torres
A socialite esnobe Glorita, vivida por Ana Lúcia Torres. Na trama, a personagem só humilhava Dona Xepa.
Depois do casamento, Xepa mal conseguia ver a moça, já que Glorita impedia a entrada dela na casa e Rosália também tinha vergonha da mãe.
Dionísio Azevedo
Ao se sentir abandonada pelos filhos, Xepa contou com o apoio de Agenor (Dionísio Azevedo), que era seu vizinho e estava sempre pronto para ajudar a veterana. 

Emocionante homenagem

Yara Cortes e Reinaldo Gonzaga
No final da trama, a feirante viveu momentos inesquecíveis e, finalmente teve toda sua luta reconhecida através do filho, Edson, que se redimiu com a mãe. Ele conseguiu se transformar em um autor de teatro e escreveu uma peça sobre a vida de Xepa. O espetáculo fez grande sucesso e, na estreia, a feirante se emocionou ao ser homenageada no palco e aplaudida. 

Yara Cortes

Já a malvada Rosália não gostou do gesto do irmão e se revoltou. A garota ambiciosa acabou a trama viúva, após Heitor morrer em um acidente de carro. Mesmo assim, não perdeu a pose, começou a trabalhar como modelo e continuou morando na casa de Glorita com a filha, Maria Carolina,que irá fazer de tudo para afastar Xepa da neta, considerando sua presença prejudicial à menina.

Ficha técnica

Emissora: Rede Globo
Exibição: 24/05/77
Capítulos:132
Horário: 18h
Autor: Gilberto Braga

Texto: Flavia Serra

Curiosidade:

Dona Xepa foi a recordista de audiência das 18h na época e a primeira trama contemporânea da faixa, que só havia exibido, até então, grandes clássicos da literatura.

Publicado na revista TV BRasil n/n 897
Fotos: UOL TV e Famosos-Divulgação/Reprodução.

Nenhum comentário:

Postar um comentário